A semana começou com destaque na mídia nacional para o nosso parceiro, a Somos Educação. Nossa plataforma de ensino virtual, onde organizamos todo o conteúdo de ensino-aprendizagem se tornou a principal plataforma de ensino do país.

A diretora de Educação Básica da Fundação Educacional Barriga Verde – Febave, Rosilane Damásio Cachoeira, destaca a importância da parceria. “2020 iniciou diferente em vários aspectos no Colégio Unibave, mudamos o nome, o uniforme e o material escolar, nesses momentos vemos o quão acertada foi a decisão. Hoje dispomos de uma das mais modernas formas de educação remota do país”, completou.

Confira um trecho da reportagem realizada pela Revista Veja:

Passados três meses e meio desde o início pandemia do novo coronavírus, que tirou das carteiras escolares milhões de alunos no Brasil, estados e municípios se preparam para a tão aguardada retomada das aulas presenciais.

Mas enquanto os portões dos colégios estão fechados, ganham espaço as plataformas de ensino online, como a Plurall, da Somos Educação, que hoje reúne 1,3 milhão de alunos em seu ambiente virtual de 4 mil escolas privadas – antes da pandemia cerca de 400 mil estudantes eram atendidos.

A plataforma foi criada em 2013 como uma ferramenta de apoio pós-aula para as turmas de ensino médio e o segundo segmento do Ensino Fundamental. De olho nesse mercado, a Somos investiu 42 milhões de reais na plataforma entre 2017 e 2019 – a empresa não abre números deste ano.

Uma semana depois do início da quarentena as aulas online começaram a ser ministradas e o volume de dados na Plurall cresceu cerca de 47 milhões por cento. “O crescimento desse índice mostra que os professores estão usando a plataforma para mandar provas e listas de exercícios que são feitos pelos alunos.

Desde que as escolas fecharam cada aluno fez 2500 tarefas e ficou cinco horas online por dia, em média, sendo três horas assistindo aula e duas horas fazendo atividades, entre games, simulados e exercícios”, explica Mario Ghio, diretor presidente da Somos Educação. “Achamos que seria um esforço de 30 dias, mas hoje ninguém tem dúvidas de que iremos até dezembro”, completa Ghio.